hino de rio de moinhos

 

 

Refrão
Rio de Moinhos minha aldeia linda
De uma Graça infinda
Que tudo seduz
Foi Deus que do Seu amor
Te manchou de côr
E inundou de luz

I
À noite só brilha a lua 
Ó rapariga insensata
Parece que cada rua
Tem uma fonte de prata

II
És pobre em monumentos
ó minha aldeia singela
Cá no nosso pensamento
Não há outra igual a ela


Refrão
Rio de Moinhos minha aldeia linda
De uma graça infinda
Que tudo seduz
Foi Deus que do Seu amor
Te manchou de côr
E inundou de luz

III
Tens Foral tens Pelourinho
Para mostrares tua nobreza
Tens o azeite tens o Vinho
E tens o pão da nossa mesa

IV
Solitárias Capelitas
Sentinelas vigilantes
Tens os olhos com que fitas
Os lugares distantes


Refrão
Rio de Moinhos minha aldeia linda
De uma graça infinda
Que tudo seduz
Foi Deus que do Seu amor
Te manchou de côr
E inundou de luz


V
Homens de terra tão querida
São obreiros e leais
De fé sempre apetecida
Herança de nossos pais

VI
Despontam já na memória
Flores em bons raminhos
São o encanto da história
Já longa de Rio de Moinhos

Refrão
Rio de Moinhos minha aldeia linda
De uma graça infinda
Que tudo seduz
Foi Deus que do Seu amor
Te manchou de côr
E inundou de luz